"Amores que não se apagam"

Há dores que nos matam,
Que nos dilaceram a alma, a vida, o sonho.
Dores que se apoderam do nosso coração,
Que escorrem pelo rosto e nos marcam a face, 
Que nos fazem gemer em gritos de saudade
(em temores e terrores calados).
Há amores que se choram,
Que ficam cravados no nosso destino, 
Num fado de tristeza e de alegria,
Incapaz de ser controlado por nós e por todos...
Amores que não se apagam.

Ó minha dor que me atormentas em vidas passadas,
Em ruas esquecidas, em vozes despidas - 
De quem nunca conseguiu esquecer a distância.
Larga-me o caminho e mata de vez este sofrimento.

Há dores que nos trespassam,
Que nos rasgam a pele, que nos deixam sem razão,
Na solidão de um quarto que nos impede de seguir,
Que nos prende a um caminho de ilusão -
De uma ilusão que nos mata, que nos empurra,
Para um lugar em que esquecemos de sentir...
Tudo aquilo que sempre sentimos com toda a intensidade,
Com toda a verdade que agora não passa de ser... uma simples mentira. 

Imagem relacionada

Comentários